Vestir-se de Gueixa em Kyoto: É Legal?

Há umas duas semanas, enquanto eu escrevia um post sobre atrações em Kyoto, comecei a listar alguns motivos pelos quais eu não tinha me “fantasiado” de gueixa quando estive na cidade. Estava inspirada naquele dia e o texto estava ficando tão bom, que decidi transformá-lo em um post único.

+ Roteiro de um dia em Kyoto +

Se você não faz ideia do que eu estou falando, te explico: Kyoto é a cidade das gueixas e para atrair turistas, algumas empresas propõe que as visitantes se transformem em gueixas por um dia, usando roupas, maquiagem, penteado e acessórios similares aos que elas usam e que saiam passeando assim pela cidade.

Kyoto tem tanta coisa legal pra fazer, mas a única coisa que eu não recomendo que se faça por lá é alugar roupas de gueixas, para sair “fantasiada” como tal pela cidade.
Não é bem que eu não recomendo, afinal, cada um faz o que bem entender, mas eu não acho legal por alguns motivos, que vou contar pra vocês aqui.

1.Você sabia que ser gueixa é uma profissão?

gueixa kyoto
E aí, essa gueixa é verdadeira ou não?

Ser gueixa é uma profissão séria e elas estudam e se preparam por anos para isso. Elas tem conhecimento profundo sobre a história e a cultura do Japão e se tornar gueixa é fruto de muito trabalho, e não uma coisa que se consegue fácil. Por isso, eu considero desrespeitoso eu tentar me “fazer passar” por gueixa se eu não entendo nada do assunto. Mas de novo, essa sou só eu, e sei que levo as coisas muito a sério.
E também não entendo essa de “imitar” profissões. Em algum país do mundo você sai fantasiado de médico, professor, engenheiro, escritor, motorista do Uber?

+ Quer aprender a fazer Hommus em casa? A Magali te ensina +

2. Você não parecerá uma gueixa. Acredite em mim.

gueixa kyoto
Eu de quimono: nada a ver, né? Foto by Juliana Mozart

O segundo motivo é que é meio ridículo. Mesmo que você tenha feições orientais, fica óbvio que você não é uma gueixa de verdade. Tem alguns sinais que dão pista disso: a roupa usada pelas gueixas é caríssima e custa alguns milhares de dólares. A roupa que você vai alugar, por algumas horas, não passará de uma cópia barata.
O outro ponto é que as gueixas são treinadas para ter um gestual delicado e gracioso, que não se consegue imitar de uma hora pra outra. Elas não nascem com a atitude e gestual corretos para uma gueixa, conseguem isso depois de muito treino e estudo.
Ou seja: vai estar na cara de que você não é uma gueixa de verdade. Eu fico imaginando que se eu me vestisse de gueixa lá, ia parecer um elefante tentando dançar balé. Não pelo meu peso, mas pela falta de sutileza e delicadeza. É claro que essas características passam despercebidas no dia-a-dia, mas quando você junta dois opostos, eles só ficam mais e mais evidentes.

3. Deve ser desconfortável pra caramba.

Se você é turista e tem como objetivo conhecer a cidade, ficar andando por aí toda montada não vai ser uma boa ideia, já que o quimono é desconfortável pra caramba.
No verão, você vai sentir calor. No inverno, frio. Fora que a roupa usada pelas gueixas não permite movimentos muito amplos, além do calçado tradicional ser o gueta, um tipo de chinelo de madeira dificílimo de se equilibrar. Ou seja, se você precisar correr ou fazer aquela pose diferente para tirar uma foto, pode ter um “pequeno desastre”.

4. Gasta um tempo precioso da sua viagem.

Eu não sei vocês, mas quando eu viajo, normalmente o tempo é tão curto (pode ser um mês inteiro no mesmo lugar, mas pra mim sempre é pouco), que eu tenho que aproveitar cada segundinho. Acordar cedo, explorar bastante, ir em todas as atrações, restaurantes, lugares disponíveis, conhecer pessoas do local, ficar bem cansada e dormir tarde. Normalmente, já não dá tempo pra fazer tudo o que eu quero, então por que eu passaria esse tempo precioso me vestindo de algo que não sou? Não, né?

5. Você não é parte dessa cultura.
gueixa kyoto
E para terminar, por mais que eu queira fazer parte da cultura do lugar que eu viajo, eu simplesmente não sou parte. Porque eu não moro lá, porque não nasci no lugar e não estou familiarizada e inserida nos rituais e contexto de lá. Até porque se eu fosse de Kyoto, por exemplo, a minha visão sobre a cidade seria outra e não a visão maravilhada que eu tenho como turista.
Pense nisso: por mais que você ame a cidade que mora e queira descobrir todos os segredos dela, é diferente quando você viaja, não é?
Por isso que eu prefiro apreciar a cultura do lugar e preferi somente apreciar a cultura das gueixas de Kyoto do que usurpá-la. Cultura é importante, não é brincadeira.
Participar de uma cerimônia do chá é diferente de ser a responsável por fazê-la, não é mesmo?

+ O que eu não devo fazer no Japão? +

Realmente, o quimono que elas usam é lindo de viver e muita gente se interessa por saber mais da roupa. Minha dica? Vá a um museu, a uma boa loja, e se quiser (e tiver dinheiro pra isso) compre um pra você. Nem sempre precisamos usar uma coisa para apreciá-la.

Esses foram os meus motivos pra não me vestir de gueixa em Kyoto. Minha visão é séria, endurecida? Pode ser um pouco. E não tenho nenhuma foto vestida de gueixa por lá, mas garanto pra você que aproveitei a cidade o máximo que eu pude, com meu tênis, moletom, sem maquiagem e sendo eu mesma!

Gostou deste texto? Concorda com a minha visão ou acha que temos que fazer o que nos der na telha durante uma viagem? Já se vestiu de gueixa em Kyoto? Deixe seus comentários aqui!

Gosta do Magali Viajante? Então não esquece de seguir a gente em todas as mídias sociais. Tem conteúdo exclusivo para o Facebook, Instagram,Twitter,YouTube e até Snapchat. Segue lá!

5 comments

Submit a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *