Sainte Marie Gastronomia: Uma Joia Árabe Escondida na Vila Sônia

O Sainte Marie é um restaurante que habitava a minha mente há muito tempo.
Os excelentes reviews, as fotos e as boas histórias que eu escutava de lá me deixavam sempre com vontade de ir, e o restaurante sempre estava no topo da minha lista de pendências.
Mas a Vila Sônia é longe. Isso e a fila de espera que se forma aos finais de semana me impediram de ir ao Sainte Marie. Até semana passada.

+ Vai ficar em SP no Carnaval? Veja como se divertir na cidade além dos bloquinhos +

Durante alguns dias de férias na cidade, decidi ir conhecer alguns lugares que sempre tive vontade, mas que só são bons durante a semana, quando estão vazios.

Então na terça feira começamos o dia de descobertas indo até o Templo Zu Lai, em Cotia (o post sobre ele vem logo mais). Após o passeio que alimentou a alma, o estômago pedia algo à altura. Na minha cabeça, a Vila Sônia era muito mais perto de Cotia do que da minha casa. E era mesmo. Aproveitamos o caminho e fomos.

Chegamos por volta de 14h no local onde o Waze indicava o restaurante. Passamos na frente, meio ressabiados, estacionamos o carro em uma rua paralela e fomos conhecer o tão falado Sainte Marie.

O restaurante é originalmente uma rotisserie. Simples de tudo, não tem placa na porta nem muito conforto e se você não soubesse que ali tem comida boa, provavelmente fugiria. Mas não fuja. O que você vai comer lá é incrível, certamente a melhor comida da região e quiçá a melhor comida árabe de São Paulo.

sainte marie
Não tire conclusões precipitadas pelo ambiente, que é a única coisa simples por aqui

 

Preferencialmente, vá durante a semana, até quinta feira, quando é possível comer com relativa tranquilidade.

O Sainte Marie é um lugar bastante pitoresco, a começar pelos dólmãs amarelados, pela ação do tempo, pendurados na parede. O cardápio vai pelo mesmo caminho pitoresco, bizarro até, cheio de palavras engraçadas, como fofo, fofolândia e todos as variações deste adjetivo que você possa imaginar.

sainte marie gastronomie
Detalhe “fofinho” da mesa

 

Demorei pra entender (ok, acho que até agora não entendi bem toda a fofurice do cardápio) mas deixe a estranheza de lado e concentre-se em todos os pratos deliciosos que existem ali.

O cardápio é bem extenso e com sugestões de toda a Arábia e até de outros cantos do mundo.
Tem falafel, tem esfiha, quibe cru, moussaka, paella e até um PF de filet com batata frita.

sainte marie sp
As descrições do cardápio causam estranheza, mas os pratos são ótimos

 

Assim que comecei a ler o cardápio, lembrei que não podia deixar de pedir o Quibe Montado, que eu já tinha visto à exaustão no Instagram. É, certamente, a foto do Sainte Marie mais compartilhada nesta mídia social.

Cerveja gelada de garrafa, pra aplacar o calor e pedimos o quibe montado. O garçom, meio blasé mas eficiente, nos aconselha a pedir o pequeno, pois diz que se pedirmos o grande não conseguiremos comer mais nada.
Quando lhe pergunto qual o tamanho do grande, ele responde com apenas uma palavra: “Enorme”.

Após fazer o pedido, chega à mesa uma simpática porção de coalhada seca acompanhada de pãozinho delicioso, tudo feito na casa. A primeira porção é cortesia e ela é tão gostosa, ácida e cremosa como deve ser, que vale a pena pagar por uma porção dela. Um mimo delicioso e que agrada a todos os clientes. Não seria a coalhada a única gentileza do dia.

sainte marie comida arabe
A ótima coalhada é servida como couvert. E é cortesia.

 

+ Quer aprender a fazer coalhada em casa? Veja aqui +

Após alguns minutos, chega à mesa um dos pratos mais vistosos e instagramáveis que eu já vi. O Quibe Montado (R$ 68 na porção grande, que dá tranquilamente para três pessoas) é uma torre de quibe cru, carne moída, taboule sem trigo, coalhada e cebola crocante.
Além de lindo, o prato é delicioso. O quibe cru leva carne fresca, a carne moída é bem temperada, taboule fresquinho, coalhada cremosa e cebola bem crocante. O melhor dos mundos em um mesmo prato.
É uma entrada que satisfaz bem duas pessoas, talvez três que comam menos, mas quando eu digo satisfazer, é com duplo sentido: sacia e deixa você feliz pelo que comeu.
É um desaforo ir ao Sainte Marie e não pedir o quibe montado.

sainte marie kibe
Quibe montado

 

Esse primeiro pedido foi um no-brainer, não tinha como não pedir.

Mas queríamos mais. E para o segundo prato tivemos bastante dificuldade para escolher, porque dava vontade de provar tudo.
Amigos já haviam me recomendado o basterma, o moussaka e as esfihas, mas uma foto do Arroz com Polvo não me deu outra alternativa senão pedir o prato.

Chamado de Pilaff no cardápio, é um arroz de polvo com linguiça de cordeiro e vem em dois tamanhos, P (R$ 61) e G (R$ 111).

sainte marie gastronomia
Pilaff: excelente arroz com polvo

 

Confiamos na sapiência do garçom e pedimos o P, já espertos de que as porções do Sainte Marie são muito bem servidas.

Enquanto esperávamos o arroz, surgiu no salão o simpático proprietário do restaurante, de quem eu já tinha ouvido falar algumas vezes.
É o Stephan Kawijian, responsável por todas as delícias da casa e também por deixar os clientes felizes com a sua simpatia.

Sem saber quem éramos, ele foi nos cumprimentar como faz com todos os clientes. Apertou minha mão e perguntou se estava tudo certo com a comida. Lógico que estava, mas mesmo que não estivesse, acho que a simpatia do Stephan era capaz de mudar qualquer situação. Um cara simpático de verdade, real, sem fingir ser legal. Um fofo, como diria o cardápio da casa.

O Pilaff veio servido em uma panelinha de barro bem grande e conforme comíamos, nos convencíamos de que ela não tinha fundo.

O arroz estava uma delícia. Polvo cozido à perfeição, arroz bem temperado com pedaços de polvo e de linguiça de cordeiro igualmente boa. Sensacional! O Thiago, que ama arroz, gostou muito do Pilaff.
Comemos quase até pocar e ainda levamos o restante pra casa. Tinha arroz suficiente para quatro pessoas – na versão P.

Com a barriga cheia de comida mas com vontade de confirmar se os doces da casa eram tão bons quanto o resto do cardápio, aceitamos o desafio e pedimos um Ataif de Pistache (R$ 11).
E que doce delicioso!

sainte marie arabe sp
Ataif dos deuses

 

Tudo neste Ataif estava ótimo: a massa, a quantidade absurda de pistache de alta qualidade, a calda, doce na medida e com a quantidade certa de água de flor de laranjeira e o melhor (que tenho certeza que muita gente deixa de comer, mas não cometa esse erro): o limão que vem por cima. Não sei bem se eles cozinham ou confitam esse limão, mas ele fica macio, sem nenhum amargor e com o equilíbrio certo de acidez e doçura. Uma baita sobremesa!

+ Aqui tem receita de Malabie, o manjar libanês +

Quando estávamos prontos para pedir o ótimo café da casa, de coador, também cortesia, Stephan traz à nossa mesa duas colheres com um doce que parece ser mousse de chocolate.

sainte marie cardapio
Café coado cortesia

 

Quando perguntamos o que era, ele confirmou que era mesmo mousse, e quando perguntamos o porquê daquilo estar na nossa mesa, ele apenas respondeu: “Porque é terça feira”!

sainte marie chef stephan kawijian
Mousse de terça feira

 

Depois de tudo isso, entendemos todas as fofuras do cardápio. Não podia ser diferente, quando o proprietário da casa é um fofo e trata o negócio com tanto carinho.

Mercizão, Stephan, agora terça feira é dia oficial de mousse de chocolate para nós!

Sainte Marie Gastronomia (https://www.facebook.com/Mercizao/)
Rua Dom João Batista Costa, 70, Vila Sônia, SP – (11) 3501-7552 – Metrô mais próximo: Giovanni Gronchi (4,6 km)
Segunda a sábado, das 10h às 20h, fecha aos domingos.
Gastamos R$ 140 em duas pessoas. Justíssimo!

Ah, o mousse? Tava maravilhoso! O melhor que já comi em restaurantes de São Paulo.

 

Tem dicas de lugares bons fora do circuito? Deixe seu comentário abaixo.

Gosta do Magali Viajante? Então não esquece de seguir a gente em todas as mídias sociais. Tem conteúdo exclusivo para o Facebook, Instagram,Twitter,YouTube e até Snapchat. Segue lá!

Submit a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *