Mocotó: Restaurante Pra Gringo Ver na Vila Medeiros

Quando você recebe um amigo de outro país aqui em São Paulo e quer levá-lo para conhecer um pouco da gastronomia brasileira, quais são os restaurantes que você considera?

+ Neste link tem um montão de coisa legal pra fazer em SP nesta semana +

A minha lista sempre inclui o Graça Mineira, simples, com uma feijoada deliciosa; um boteco legal, uma feira livre, o acarajé do Tabulêro Sim e mais recentemente, a comida sertaneja do Jesuíno Brilhante.

+ Saiba porque a feijoada do Graça Mineira é uma das melhores de SP +

Mas sei que a lista da maioria das pessoas incluirá, sem sombra de dúvidas, um clássico da cidade, o Mocotó, preferencialmente na matriz, na Vila Medeiros.
mocotó
E eu – podem me julgar e ficarem pasmos com essa informação – ainda não conhecia o restaurante. Várias coisas sempre me impediam de ir, mas a principal sempre foi a preguiça de pegar trânsito até a Vila Medeiros e ter que ficar mofando em uma fila.
É claro que já cheguei perto. Lá em 2013 ou começo de 2014, fui no Esquina Mocotó almoçar, mas não gostei muito da experiência e acabei nem postando aqui no blog.

Eu adoro receber pessoas de outros países aqui em SP. Seja amigo, amigo de amigo, desconhecido, é sempre algo que me anima bastante. Mas essa semana, recebemos a amiga de um primo, e as restrições alimentares e recomendações eram bem específicas: Ela é muçulmana, não bebe álcool e nem come carne vermelha. Só peixe, frutos do mar, laticínios e legumes.
Pra deixar a situação um tiquinho ainda mais difícil, o dia escolhido para o jantar era uma segunda feira gelada em SP e eu não queria ir em um lugar que esfolasse meu bolso.
Minha ideia de levar os gringo tudo pra comer feijoada foi por água abaixo. Jesuíno Brilhante não abre à noite. Boteco é complicado pela questão do álcool. Quebrei a cabeça lendo cardápios, buscando recomendações, vendo quais restaurantes abriam na segunda à noite e confesso que quase desisti do tema ‘comida brasileira’ e apelei para um peruano, japa (de jeito nenhum na segunda) ou um bom indiano.

+ Jesuíno Brilhante: comida sertaneja de verdade +

“Mas aí não tem graça, né? A pessoa vem até o Brasil pra comer samosa?” – pensei.

E aí que me veio na cabeça a possibilidade do Mocotó. Entrei no site, li o cardápio, boas opções de peixes e vegetais, segunda deve estar vazio, vambora.

Sabe que fora do horário de rush a Vila Medeiros nem é tão longe assim? Da Vila Mariana até lá levamos 40 minutos. Excelente, para os padrões de São Paulo.

Chegamos no Mocotó, que não tinha nenhuma fila e sentamos na mesa comunitária imediatamente.
Ambiente simples mas bem arrumado, bacana, garçons educados. Tudo indo super bem.

Recebemos o cardápio e a partir daí, começamos a ter uma experiência bastante diferente da que a maioria das pessoas tem no restaurante. Na nossa mesa não teve caipirinha, não teve bode, não teve baião de dois. Mas mesmo assim, a nossa noite foi ótima.

Pra começar, um grande elogio à equipe. Todos os garçons, além de simpáticos e eficientes, souberam nos dizer com clareza os ingredientes dos pratos e se eles levavam ou não algum tipo de bebida alcoólica ou carne. Como eu sempre digo, a equipe ter conhecimento total do cardápio deveria ser a regra, mas em muitos restaurantes, o que vemos são atendentes que nem sabem o que estão servindo, por pura falta de treinamento na brigada.

Como não estávamos bebendo, pedimos uma jarra de água (500 ml, R$ 4,90), um Chá Gelado da casa (R$ 8,90), que leva mate com umburana, limão e mel e lembra muito os deliciosos e refrescantes mates servidos nas praias do Rio, só que melhor, e um suco natural de cajá (R$ 8,90), porque queríamos que a nossa amiga provasse alguma fruta brasileira.

Como entrada, pedimos os famosos Dadinhos de Tapioca, que são cubinhos de tapioca com queijo coalho, servidos com molho de pimenta agridoce (12 unidades, R$ 22,90).
Eu já tinha provado esses dadinhos de tapioca antes em outros lugares e nunca fui a maior fã do petisco. A maioria das vezes acabava virando um treco borrachudo e sem gosto.
O do Mocotó, por sua vez, estava bem saboroso. Textura boa, sem ser massudo demais, com bastante gosto do queijo coalho e o molho de pimenta super suave, quase sem nenhuma picância.
Não é uma entrada que eu repetiria na casa. É gostosinho, mas longe de ser a maior estrela da casa.

dadinhos de tapioca mocoto
Os famosos dadinhos de tapioca da casa

Pedimos também uma unidade de Queijo de Coalho com Melado (R$ 8,90), aí sim, uma entrada das minhas. Simples, mas com o queijo bastante saboroso, diferente dos queijos coalho do supermercado, fazendo uma combinação perfeita com o melado.
Aliás, o dadinho de tapioca também fica bem mais gostoso com o melado do que com a geleia de pimenta. Não deixe de provar!

queijo coalho com melaço
Adoro queijo coalho com melado!

Como prato principal, escolhemos a Peixadinha do São Francisco, feito com pintado no molho de coco com tomatinho, cebola pérola e pimenta cambuci, servida com mix de arroz e farofa crocante de castanha e coco queimado (R$ 49,90).
Este prato, assim como muitos outros do restaurante, servem tranquilamente duas pessoas. No nosso caso, depois de todas as entradas e ainda querendo uma sobremesa, comemos em três, mas eu facilmente teria comido mais.

Essa peixadinha é uma delícia. O pintado é um peixe com uma textura mais firme, o que ficou ótimo com o molho de coco. Delicado, mas bem temperado e saboroso, o que me lembrou algumas vezes o peixe no coco feito pela minha mãe.
O prato é servido com mix de arroz branco e cateto e uma farofa crocante e muito boa. A dica é não desperdiçar nem uma gota do caldinho de coco e colocar a farofa sobre ele.
O prato era bem servido, mas tenho certeza que continuaríamos comendo se ele fosse maior…

mocotó restaurante
Peixadinha de São Francisco: um sucesso!

Dessa vez foi a peixadinha, mas terei que voltar lá mais algumas vezes para provar a carne de sol, paleta de cordeiro, favada… a lista é tão grande quanto toda a extensão do cardápio, exceto saladas.

O cardápio de sobremesas do Mocotó também é bem atraente e me deixou bem confusa para saber o que escolher.
Na dúvida, pedimos a degustação de quatro doces artesanais, com abóbora com coco e laranja, ambrosia, caju em calda e bananada com rapadura (R$ 21,90).
Eles vem todos em porções pequenas e acompanhados de uma grossa fatia de queijo coalho. Dá facilmente para dividir em umas três ou quatro pessoas.

De todos os doces, o meu preferido foi o de caju em calda. Era exatamente igual ao que eu comia no sertão de Alagoas quando era criança. A fruta é cozida lentamente, às vezes por uma noite inteira, com bastante açúcar e algumas especiarias. Mesmo com todo o cozimento, o caju não perde a textura e você consegue morder pedaços grandes da fruta.
A bananada com rapadura e o de abóbora com coco também estavam bons, mas nada excepcionais.
Só não curtimos muito a ambrosia, que parece ter passado bastante do ponto e estava bem escura, quase sem gosto de leite.

mocotó bar e restaurante
Não deixe de provar o doce de caju em calda. O melhor de todos, de longe.

Pra finalizar, tomamos um gostoso café filtrado e um espresso da Família Pessegueiro (ambos por R$ 5,50).

Nossa amiga gringa amou o restaurante. E nós também.

Caso você vá levar alguém de fora do país, é bem mais legal ir até a Vila Medeiros mesmo. Você pode ir contando as histórias e a pessoa vai ver uma realidade do dia-a-dia, que dificilmente ela veria no Mercado de Pinheiros ou nos pontos que o food truck do Mocotó passa.
É São Paulo de verdade, como ela é. E posso dizer, é bem interessante!

Se eu vou voltar ao Mocotó? Certamente!
Comida boa de verdade e preço ótimo me conquistam. Mas não tenho paciência para o hype de sábado e domingo. A dica, me disse o garçom, é ir de segunda à quinta. Aí não tem erro. É só chegar, sentar e comer tranquilo.

E diferente do que você possa pensar, lá no Mocotó tem comida pra todo mundo, até pra alguém que só come peixe, queijo e legumes. Comi bem demais e pelo menos nessa noite, não senti falta da carne. Recomendo!

Mocotó Bar e Restaurante (mocoto.com.br)
Avenida Nossa Senhora do Loreto, 1100 – Vila Medeiros – SP – (11) 2951-3056. Metrô mais próximo: Tucuruvi (2,5km)
Segunda a sexta, das 12h às 23h; sábados, das 11h30 às 23h e domingos, das 11h30 às 17h.
Gastamos R$ 160 em três pessoas.

Deixe aqui nos comentários quais são seus restaurantes favoritos em SP para levar gringos!

Gosta do Magali Viajante? Então não esquece de seguir a gente em todas as mídias sociais. Tem conteúdo exclusivo para o Facebook, InstagramTwitterYouTube e até Snapchat. Segue lá!

Submit a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *