Huaco: um novíssimo peruano na Vila Madalena!

Gente, este post está guardado na minha cabeça desde sábado e urgia sair logo, mas a correria louca que estou vivendo não me deixou publicá-lo antes.
Ter um blog de gastronomia e viagens pode parecer fácil, mas a verdade é que exige um comprometimento enorme (como tudo na vida) para ter conteúdo relevante, gastar dinheiro para sair todo final de semana e conhecer lugares novos, além do desprendimento de conhecer lugares que você sabe que não irá gostar muito, mas tudo para manter seus leitores informados e felizes (espero eu!).
Eis que desde que eu comecei o blog, estava ávida por um furo de reportagem, ou seja, falar de algum lugar que ainda não tivesse sido comentado nos blogs mais conhecidos… mas é difícil, você tem que estar disposto a largar tudo o que tiver fazendo, e a dieta, e economizar dinheiro, e os passeios românticos e os compromissos já agendados, para sair correndo para aquele lugar que você ouviu falar e escrever antes dos blogueiros da moda patrocinados façam o trabalho deles. (Às vezes o Thi fala: Vamos no cinema? E a louca aqui responde: Não, preciso de pauta pro Magali! Que chata eu!)
Tinha quase conseguido uma vez, mas deixei para o dia seguinte, e lá estava o belo post no outro blog… É bom esclarecer que este não é meu emprego, não ganho para isso, e que todos os lugares que vou são pagos no cartão do Thiagão… ou seja, preciso de condições melhores para o meu blog e para os furos, rs!

Brincadeiras à parte, hoje vou dar um FURO DE REPORTAGEM mesmo… Ninguém ainda falou sobre este lugar, até porque ele está em soft opening.
Fiquei sabendo do Huaco Restobar Peruano pelo Facebook de um amigo que não via há muito tempo. O Alexander Quiñones, da Del Cocktail, fez alguns eventos com o Thiago na época que ele era chef do Shimo (RIP, saudades!) e hoje, além de fazer inúmeros eventos, a equipe dele cuida do bar do Huaco.
Imagem
(A casinha simpática)

Um parêntese: apesar da moda de comidas peruana que está acontecendo em SP nos últimos anos, ainda não são tantas boas opções assim…
Imagem
(Alexander, o responsável pelos excelentes drinks)

E eu gostei do Huaco. Explicando melhor, huacos são aquelas peças de cerâmica feitas pelas civilizações pré-incas. São super bonitas e contam bastante da história destes povos. Lá no restaurante, tem algumas peças que um dia, vão virar um centro cultural.

Começando pela ambientação e pelas ideias diferentes que os proprietários tem, já gostei do restaurante. Logo ao entrar, você dá de cara com uma parede linda, toda pintada à mão, com figuras e frases que contam a história dos povos e dos huacos. A parede é tão tão tão linda, que eu pensei ter sido feita por algum artista muito famoso, mas quão não foi a minha surpresa ao descobrir que tudo tinha sido pintado pelo talentoso Adrián, um dos garçons de lá. Ele era artista e desenhista no Peru, e resolveu largar tudo para vir ao Brasil, e está trabalhando de garçom no restaurante, além de ter feito toda a pintura e parte artística do mesmo (how cool is that?). No piso de cima, que ainda não está pronto, eles pretendem fazer uma exposição permanente com as peças de huacos, e transformar o espaço em galeria. Além de ser um restaurante, o Huaco quer se transformar em um centro de cultura peruana em SP.

Imagem
(
Saca só esta parede! Queria ir ser uma garçonete tão talentosa assim)

A equipe (garçons, cozinheiros) é toda peruana, o que faz com que eles tenham real conhecimento dos pratos, além de terem a pronúncia perfeita, pois falam praticamente só espanhol. A gerente, Rocío Kitsutani, é a definição da simpatia e acolhimento da América Latina… você pode ficar conversando com ela horas sobre a culinária peruana, os projetos para o futuro, como a casa está indo… uma fofa!

Imagem
(a querida Rocío)

O cardápio é bem longo, com muitos pratos, mas decidimos ficar com a Fuente Fria (R$ 69), um prato degustação, que dá para duas pessoas, e vem com 4 tipos de ceviche (tradicional, 4 ajís, ao parmesão e pulpo al olivo) + uma causa de siri com abacate e molho de marisco. Prato perfeito para os dias quentes que tem feito em SP.
Apesar de sentir o sabor tradicional peruano nos pratos, com muitos produtos trazidos de lá inclusive, ainda acho que a cozinha precisa de alguns ajustes. Mas tudo bem, eles estão em soft opening para isso.
Mas eu gostei muito do que provei, apesar de não estar perfeito. A minha única ressalva, no caso, foi no ceviche tradicional, que carecia de mais acidez e mais coentro (segundo o Thiago, o chef pode ainda não ter aprendido a lidar bem com o limão daqui, que é bem menos ácido e diferente do encontrado no Peru). Fora isso, estava tudo muito bom, com peixe fresco e ingredientes de qualidade.
O meu preferido foi o 4 ajís (4 pimentas), pois eles conseguiram equilibrar o sabor e a potência das pimentas, e resultaram em um ceviche muito saboroso, picante, mas não só ardido, e sim com muito sabor.
O Thi gostou mais do pulpo al olivo, que são fatias de polvo com um molho de azeitonas pretas. Estava demais também!
Achamos a ideia do ceviche al parmesan diferente, já que nunca tínhamos visto nem no Peru. Estava bom, mas não nos encantou…
A causa estava sensacional, com a batata bem sequinha, bastante abacate, e um molho de mariscos muito bom!
Sim, estranhamente só comemos isso. Dieta de 900 calorias tem dessas de te deixar cheio só com uma ervilhinha!

Imagem
(
La Fuente Fria)

Os drinks são um show à parte (e não digo isso porque o Alexander é nosso amigo, é porque estava bom mesmo!). Provamos os dois drinks mais peruanos, impossível. O Pisco Sour, tradicionalíssimo, fresco, gostoso dá para tomar em galão, e o Chilcano, que é um drink bem conhecido no Peru, feito de pisco e um refrigerante peruano de gengibre. Aqui, eles preferiram fazer uma versão mais fresca e natural, com gengibre fresco e um toquezinho de bitter por cima só para dar profundidade ao sabor. O que eu mais gostei é que eles dosam perfeitamente o álcool, não deixando a bebida nem muito forte, e nem com gosto de suquinho…

Imagem
(
 O pisco sour)

Imagem
(O Chilcano! Juro que foi o Thi que bebeu tudo – J-U-R-O)

A parte do fundo e da laje do restaurante conta com um lindo jardim e pergolado, que servirá futuramente como espaço de eventos. Que eu já decidi que farei várias festas lá.

Queremos voltar com mais tempo e mais fome, para experimentar todos os pratos deles… tem jalea, lomo saltado, tacu tacu, tudo de bom da cozinha peruana!

O que mais gostei de lá: Os meus bons drinks, o ceviche 4 ajís e as pessoas queridas!
O que não gostei muito: A falta de acidez do ceviche tradicional, e o cardápio já ter vindo riscado e um pouco estragadinho, mesmo a casa sendo super nova. Tem que ver isso aí, Rocío!
Dica que vale ouro: Peça para a Rocío te levar para conhecer a casa. Ela vai te contar todas as histórias e te mostrar uns cantinhos super bonitos.

Imagem
(O cardápio, meio zoadinho já, mas com um detalhe bonito)

Huaco Restobar Peruano (https://www.facebook.com/pages/Huaco-Restobar-Peruano/242128015954460?fref=ts)
Rua Fradique Coutinho, 832 – Pinheiros – 3969-3893
Terças e quartas, das 19h à 0h; quintas e sextas, das 19h à 1h; sábados, das 12h30 às 16h30 e das 19h à 1h e domingos, das 12h30 às 17h.
Gastamos R$ 100, com uma água, dois drinks e o grande prato de degustação.

6 comments

Submit a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *