Como Funciona o Tour da Lokafy em Toronto?

Estados Unidos, Grécia, Japão, Finlândia, Peru, Austrália… Esses são só alguns dos países que eu tenho amigos no mundo.
E esses amigos colaboraram com muitas das experiências que vocês vem aqui no blog. Lugares que turistas normalmente não conhecem, restaurantes incríveis, bairros inusitados… várias dicas que só um local pode dar. Por mais que eu seja blogueira de viagem e pesquise muito sobre o tema, tem certas características de um lugar que eu nunca vou descobrir em guias e pesquisas.
Além disso, algumas das minhas melhores lembranças de viagens estão relacionadas à momentos que tive com os meus amigos.

+ Você já foi ao Niagara Falls? Então vá! +

Durante o planejamento da última viagem para Toronto, descobri a Lokafy, uma empresa que conecta viajantes a locais que compartilham os mesmos interesses.

Eu já fiz dois vídeos mostrando um pouco como foi a minha experiência com eles, mas quis fazer esse post para explicar direitinho como é feita a contratação dos serviços e como é a dinâmica do passeio.

Durante a minha troca de emails com a Kiran, fundadora da Lokafy, ela quis saber um pouco mais do meu perfil, com quem eu estava viajando, duração da viagem, o que eu gostava de fazer e quais eram as minhas expectativas.
O que ficou muito claro pra mim desde o início (e isso se concretizou durante o tour) é que seria impossível eu ter a mesma experiência que tive com eles se fizesse tudo por minha conta. E eu vou explicar isso melhor mais pra frente.

Depois de me conhecer melhor por email, a Kiran me deu duas opções: eu poderia ver os perfis dos “Lokafyers” (leia: amigo local que irá te receber) no site e escolher um deles ou deixar que eles escolhessem pra mim. Caso eu preferisse a última opção, seria necessário bater um papo por Skype pra ela me conhecer e entender perfeitamente o meu perfil.

“Surpreenda-me”, pensei, com a mente abertíssima que tenho quando viajo (quando estou em casa também, mas durante viagens até eu me surpreendo comigo mesma).
Logo, escolhi a segunda opção.

Marcamos o horário no Skype e bati um papo com a Kiran e a Mayeesha, que trabalha por lá.
Elas me fizeram algumas perguntas, eu fiz outras e alongamos o Skype batendo um super papo, que realmente me deu vontade de ser amiga delas. Tinha certeza que ia me dar bem.
A Kiran então disse que tinha a pessoa perfeita pra me acompanhar. Beleza!
Alguns dias depois, recebi um email da Laura (a tal pessoa perfeita) combinando um dia e horário para o passeio.

toronto canada
Essa é a Laura!

No dia em questão, como havíamos marcado à tarde, aproveitamos a manhã para conhecer algumas coisas da cidade, almoçar e então ir encontrá-la.
Por algum motivo, escolhemos Chinatown e Kensington Market, duas regiões de Toronto riquíssimas em cultura e em comida.
Passeamos bastante e decidimos almoçar em um dos muitos restaurantes de Kensington, o Torteria San Cosme, que depois conto com calma em um novo post aqui pra vocês.

Se você não conhece o Kensington Market, é uma região bem alternativa de Toronto. Meio hippie, meio hipster, lá tem tudo o que é cool e diferente: comida de todos os cantos do mundo, brechós, lojas diferentonas e gente de tudo quanto é estilo. Underground, e se eu me lembro bem, essa foi uma das palavras que eu usei no Skype com a Kiran.

Quando estava almoçando, olhei no mapa para ver se o lugar que combinei com a Laura ficava longe dali. Não ficava. Na verdade, dava pra ir andando.
Aí caiu minha ficha: “Pedi pras meninas do Lokafy pra ir em algum lugar underground e com comida boa e diferente. Acho que elas vão me trazer aqui em Kensington. Que droga, estraguei a surpresa.”

Corri pra mandar um Whatsapp pra Laura contando da minha mancada e perguntando se ela tinha um plano B, caso esse fosse o roteiro original.

No horário combinado, fomos encontrá-la. O lugar era o Dunbat Skatepark, uma pista de skate no Alexandra Park, a poucas quadras do meu almoço.

Quando ela chegou, já fui me desculpando por ter almoçado no Kensington, mas ela, de um jeito todo descolado e divertido (vocês tem que conhecer a Laura, juro!) disse que não era lá que ela ia nos levar, pois ela tinha certeza que eu já teria ido ou ao menos planejado ir lá.
Ao longo do dia, percebi que ela não estava blefando, pois tudo estava perfeitamente planejado.

O primeiro lugar que ela nos levou foi ao Market 707, uma série de contêineres que foram transformados em negócios, principalmente de alimentação.
Lá, o lugar indicado por ela foi o Kanto by Tita Flips, de comida filipina. Ela disse que nos levou lá pra provar o Balut, um ovo de pato fecundado que é uma iguaria nas Filipinas.

Lokafy - Balut egg - Magali Viajante
O tal do Balut

Ficamos muito surpresos quando ela disse isso, porque uma das tarefas que tínhamos em Toronto era gravar um episódio para o Comidas Bizarras e o Thiago tinha um objetivo de conhecer o Balut e vinha falando deste assunto desde que fomos para o Japão.
A surpresa aconteceu porque em nenhum momento contamos para a Kiran ou para ela desta seção do nosso canal ou do gosto peculiar do Thiago.
Eles provaram (eu não tive coragem, tô ficando velha), foi divertidíssimo e gravamos um vídeo que você pode assistir no link abaixo.

+ Você pode assistir ao vídeo do Balut aqui +

Em seguida, ela nos perguntou se topávamos caminhar e fomos andando até o Sam James Coffee, uma pequena rede de cafés muito bacana.
O que a Laura não sabe, porém, é que pra mim, a parte mais bacana do passeio foi justamente essa longa caminhada até o Sam James.
É que durante a caminhada, falamos de tudo um pouco: da política brasileira, dos preços do aluguel em Toronto, dos lugares que já tínhamos viajado, da estética dos homens canadenses, de celulite, manicure, trabalhar em restaurante… Tudo o que você puder imaginar de papo rolou por ali.
E quando chegamos ao Sam james, tive aquela sensação gostosa que temos quando passamos um dia inteiro conversando com um amigo. Se o passeio tivesse acabado ali, eu já estaria satisfeita. Mas ainda bem que não acabou.

No Sam James, tomamos um espresso e um Americano com leite. Eles usavam grãos brasileiros e o café era incrível.
Meu americano era enorme, então tomei um pouquinho lá e pedi pra colocar o resto pra viagem. Mesmo depois que ele esfriou, continuou delicioso.
Se você gosta de café, é definitivamente um lugar que precisa conhecer em Toronto.
Não comemos nada, pois ela disse que em seguida íamos atrás de uns bons doces.
O café ficava no finalzinho de Little Portugal, um dos bairros que mais gostei em Toronto. Me encantei pelas casinhas e pelo estilo de vida tranquilo.

Lokafy - Sam James Coffee - Magali Viajante
O café do Sam James: bonito e delicioso!

Fomos atrás dos doces. Caminhando por Koreatown, entramos em um mercado asiático parecido com esses que tem na Liberdade, só que maior. Aparentemente, não tinha nada demais ali.
Nada demais, exceto uma barraquinha logo na entrada, do lado de dentro, que dizia Kevin’s Taiyaki.
Taiyaki é um doce japonês que nada mais é que uma massa em formato de peixe recheado com creme ou azuki. Lembro de ter comido um taiyaki muito bom no Japão, em Kobe.

kevin's taiyaki
Os taiyakis sendo feitos

O taiyaki do Kevin era realmente muito bom. Feito na hora, a massa era bem fofinha e o recheio de azuki estava maravilhoso.
Mas eu juro que nunca entraria naquele mercado atrás de uma sobremesa. Nem imaginaria que ali dentro vendesse algo de diferente.

Lokafy - Koreatown - Magali Viajante
Você imaginaria que aqui teria uma sobremesa muito boa e feita na hora?

Pegamos mais taiyakis pra levar e fomos pra próxima parada, a confeitaria favorita da Laura, a coreana Hodo Kwaja.
Esse lugar é especializado em Hodo Kwaja, um docinho coreano em formato de noz, que pode ser recheado com batata e nozes, batata e amêndoas, ou feijão e amêndoas. Mas além disso, tem tantos doces bacanas por lá que acabamos provando várias coisas diferentes.

Lokafy - Hodo Kwaja - Magali Viajante
Esse docinho é o Hodo Kwaja

A panqueca (Hotteok) foi a primeira delas. É uma massa de panqueca recheada com açúcar mascavo, amendoim, semente de girassol e canela. O açúcar derrete com o calor, o que faz desta sobremesa uma das coisas mais gostosas que já provei.
Eles dizem que são o único lugar em Toronto que prepara essas panquecas fresquinhas. Elas são feitas três vezes ao dia, às 11h30, 15h e 17h30, e o legal é você ir na loja neste horário, bem quando elas estão saindo. O cheiro é irresistível.

hodo kwaja
A fachada engana…

Pra completar e aplacar o calor que fazia em Toronto naquele dia, a Laura pediu um Fruit Sherbet.
Chegou à mesa um pote enorme com gelo britado, frutas picadas e calda de morango feita na casa. Cada um agarrou uma colher e se jogou no gelinho. É sério, é impossível parar de comer isso no calor.
A Laura nos contou que sempre vai com os seus amigos pra comer o Sherbet no verão.
Eu tenho certeza que se estiver em Toronto no próximo verão, é lá que irei me refrescar.

Papo vai, papo vem, e já tínhamos comido o Balut, tomado café e provado umas sobremesas. A única coisa que faltava eram uns bons drinks.

A Laura nos levou então no 416 Snack Bar, um bar bem bacana de Toronto que faz ótimos drinques e comidinhas com um preço amigo.
Quando chegamos lá, ela disse que era quase obrigatório provarmos o Caesar, um drinque icônico no Canadá.
Eu nunca tinha ouvido falar nele, que é feito com Clamato juice e Vodka. Pra quem não conhece, o Clamato é um suco de vôngole  com tomate (por isso clamato = clam + tomato) e os canadenses são absolutamente loucos pelo Caesar.
Ele lembra um pouco o Bloody Mary, mas é mais líquido e mais saboroso, com menos gosto de molho de tomate. Você pode pedi-lo normal ou spicy e a graça do Ceasar é que cada lugar prepara uma guarnição diferente para servir em cima do drinque.
No 416, eles serviam com limão, pepino e azeitona, mas a Laura contou que tem lugar que serve até com bacon ou com uma fatia de pizza (!).

416 snack bar
Os Caesars do 416 Snack Bar

Pedimos os Caesars, que estavam maravilhosos (um alerta: ele leva vodka pra chuchu, mas você não percebe quando está bebendo, por isso, pegue leve. A sua reação ao tentar levantar da cadeira pode ser catastrófica) e pedimos algumas coisinhas para comer.
No cardápio do 416, há pequenas porções de comida com preços acessíveis para serem divididas entre a mesa, o que parece ser uma tendência em Toronto.

416 snack bar menu
Ostras

Pedimos Aspargos com molho holandês, simples e delicioso; meia dúzia de ostras canadenses, frescas e carnudas e um apimentado korean fried chicken.
Os pratos são pequenos, mas custam entre $5 e $7 dólares canadenses. Legal pra ir de galera e provar várias coisas diferentes.

416 snack bar toronto
Aspargos com molho holandês: viciante

Alguns Caesars depois, nosso dia com a Laura acabou. Mas nos demos tão bem que ela nos convidou pra ir a uma festa com amigos naquela noite. Não pudemos ir, mas tenho certeza que seria bem legal.

416 snack bar
Korean Spicy Chicken

Nos despedimos, trocamos contato e fomos embora felizes de ter feito uma nova amiga local que nos mostrou um lado da cidade totalmente novo pra nós.

Os tours da Lokafy estão atualmente disponíveis em Toronto, Nova York e Paris.
Você paga $ 15 dólares por hora e por pessoa, com o mínimo de duas horas de duração. Caso esteja sozinho, o valor sobe para $ 25 dólares.
Em Toronto, a cobrança é feita em dólares canadenses, em Nova York, dólares americanos e em Paris, em euros, mas os valores são os mesmos.

Maaaaaaas, como você é leitor do Magali, é claro que tem condição especial. Clique aqui pra agendar o seu tour e você terá 10% de desconto. Iuhuuuu!

Há a possibilidade de encontrar locais que tenham interesse em quase qualquer assunto e também fluentes em diferentes línguas. Dependendo do tema, dá até pra fazer o tour em português.
Lá no site deles, você pode ler um pouco mais sobre os Lokafyers e seus interesses, que variam desde comida, fotografia a LGBT e esportes.
Os filtros para encontrar o Lokafyer perfeito pra você incluem o mapa de Toronto, gênero, idade, interesses e idiomas. Assim fica fácil encontrar alguém que combine com você, né?

+ Assista ao vídeo com toda a minha experiência com a Laura e a Lokafy +

Pronto para fazer amigos?

Prometo que você não vai mais querer esses tours empacotados, com um monte de gente e pouca coisa em comum com você. Pro-me-to!

toronto
Não podia faltar uma “group photo” não é mesmo?

*A equipe do Magali Viajante fez o tour à convite da Lokafy

Fique ligado que semana que vem tem mais conteúdo sobre Toronto!!!

Gosta do Magali Viajante? Então não esquece de seguir a gente em todas as mídias sociais. Tem conteúdo exclusivo para o Facebook, Instagram,Twitter,YouTube e até Snapchat. Segue lá!