A Magali assistiu o filme "Chef" ou Como se inspirar a mudar de vida!


Escrevendo ao som de Marvin Gaye, delícia!

Olá pessoal,

Ontem à noite, a Magali esteve na pré-estreia do filme “Chef”, na Cinemateca Brasileira, com a presença do Buzina Food Truck e do ilustre velho Josimar Mello. Um dia eu conto para vocês aqui no blog um episódio engraçado, porém um pouco constrangedor que já passei com ele!

Essa Cinemateca é linda de morrer!
Essa Cinemateca é linda de morrer!

 

O filme, que é bacana mesmo tendo um quê de sessão da tarde, conta a história de um chef de cozinha renomado que, depois de ter toda a sua criatividade drenada por um chefe sacana e que só pensa em dinheiro (já viveu essa história antes??), resolve mudar de vida e finalmente ser feliz!

Filme Chef - Magali Viajante

Dom Hélder Câmara já dizia que “Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo.” (além de essa ser uma frase que o chefe mais bacana que eu já tive dizia toda semana para a equipe). Essa frase ilustra bem a história do filme: às vezes para manter a grana, a posição social, a fama, ou mesmo com medo de tirar a bunda do lugar, nos mantemos da mesma forma, fazendo as mesmas coisas, falando com as mesmas pessoas e isso vai drenando quem somos, o que gostamos, e em um dado momento, nem nós mesmos nos reconhecemos mais. Pois bem, às vezes é preciso ter coragem para mudar tudo na vida, para continuar, ou mesmo voltar a ser você!

Chef, mesmo sendo romanceado da forma que foi, é um deleite e identificação quase instantânea para aqueles que já trabalharam em um restaurante. Portanto, garçons e cozinheiros do meu Brasil, uni-vos para ir ao cinema no horário cortado! Vocês tem que ver este filme!
Além de mostrar uma história que em algum ponto todo mundo já viveu, ou ainda vai viver (em qualquer segmento de atuação!), o filme tem um elenco de primeira, com Scarlett Johansson, Jon Favreau, Dustin Hoffman, Sofia Vergara, Robert Downey Jr, John Leguizamo… Destaque aliás para este último, que na minha opinião, é a grande estrela do filme, no papel do cozinheiro cubano, que foi para os Estados Unidos em busca do “American Dream”.

Em algumas partes, me lembrou um pouco o Ratatouille, tendo a figura do crítico gastronômico implacável, que depois de acabar com a carreira de alguns chefs e fechar alguns restaurantes, acaba se revelando um ser com coração. (Até repensei as coisas que escrevo, mas cheguei a conclusão que não sou tão cruel e nem tão famosa assim!)

A trilha sonora também é ótima, com músicas sobretudo cubanas e latinas, que dá vontade de sair dançando no cinema. Além disso, o filme faz um panorama cultural da culinária típica das diferentes cidades dos EUA, mostrando sobretudo Miami, LA e New Orleans (a saudade dói!).

Dica que vale ouro: Não vá para o cinema de barriga vazia, ou com fome, porque a cada comida linda e apetitosa que passa, o seu estômago vai roncar cada vez mais alto.

É claro que como todo bom filme de Hollywood, tem uma historinha bonita e uma lição de moral, como a importância da família e de seguir seus próprios sonhos… mas sabe que até para mim, colou? Saí do cinema incomodada e pensando seriamente sobre os meus próximos passos.

Bom, a parte mais legal da noite foi o filme, que estreia dia 14 de agosto (timing perfeito, aliás, com a febre de comida de rua no Brasil – Score, Imagem Filmes!) e que você, foodie, apaixonado por comida, por cinema, ou apenas sem programa para o sábado à noite, tem que assistir!
Mas a segunda parte mais legal, é que na saída do filme, o Buzina Food Truck estava estacionado na Cinemateca servindo “cubanos” – o prato principal do filme – um sanduíche feito de pão, presunto, carne de porco assada, queijo suíço, mostarda e picles – exatamente da mesma forma como era feito no filme.

Yummy!
Yummy!

Nem preciso dizer que depois de sair da sessão com água na boca, morrendo de fome e naquele friozinho, o Cubano do Buzina foi a melhor coisa que podia ter acontecido! E estava bom pacas!

A fila de famintos esperando os Cubanos!
A fila de famintos esperando os Cubanos!

Os caras do Buzina, antes de começar a sessão, falaram um pouco sobre como eles se identificaram tanto com a história do filme, que chegam até a se emocionar. Não sei ao certo qual é a história dos caras, mas a verdade é que eles estão de parabéns pelo trabalho duro e por tudo o que criaram.

Este food truck é lindo!
Este food truck é lindo!

Enfim, saí de lá feliz da vida, com a barriga cheia, vi um filme bom e ainda com uma dúvida na minha cabeça… Será que terei coragem??

(Este é um post por mais eventos bacanas como este na cidade de São Paulo – sem afetação e sem roupas chiques – apenas comida boa e cultura!)

Magali Viajante