7 Razões Para Visitar Fukushima

Fukushima infelizmente ficou muito conhecida aqui no Brasil depois do tsunami de 2011. Lá foi onde aconteceram os acidentes na usina nuclear e por isso, a cidade entrou no mapa mundial de uma forma bem triste e negativa.

Mas a verdade é que Fukushima é uma cidade cheia de atrativos, que fica em uma região muito bonita do Japão, que é grande e que tem muito mais a oferecer do que suas usinas.

+ Quer viajar para o exterior? A Magali te ensina passo a passo a tirar o passaporte +

Quando eu fui para o Japão, em março de 2015, fiz questão de incluir Fukushima no meu roteiro. Não para ver a devastação do tsunami e tudo de triste que aconteceu por lá. Mas para ver e contar pra vocês que existe muito mais vida em Fukushima do que a gente vê pela TV.

Por isso, se você estiver pensando em ir para Fukushima ou se nem tiver considerando a possiblidade, te dou 7 razões para provar que a cidade vale sim a pena.

1. Isenção do pagamento da taxa do visto

fukushima
Eu em Fukushima: Feliz da vida porque não paguei o visto

Como forma de incentivar as pessoas a visitarem a região, o Consulado Japonês isenta do pagamento da taxa do visto quem for morar, trabalhar, estudar ou visitar as províncias de Miyagi, Fukushima ou Iwate, justamente os três lugares mais afetados pelo tsunami.
Para os turistas, para conseguir a isenção, basta apresentar um documento que comprove a sua estadia lá. Pode ser uma passagem de trem, reserva de hotel, bilhete aéreo, qualquer coisa que comprove que você realmente irá até a região.
No meu caso, eu levei a reserva do hotel que pretendia ficar, em Fukushima, e não paguei nada pelo visto.
É muito simples e fácil de conseguir essa isenção, pois não há nenhuma grande burocracia.
Pouca gente, inclusive os japoneses, sabe dessa possibilidade de isenção do visto, mas fique ligado, ela vale somente até o dia 31 de março de 2016 e ainda não há informações se esse procedimento será renovado.

Veja todas as informações aqui, no site do Consulado: http://www.sp.br.emb-japan.go.jp/pdf/visto_comunicado_touhokug.pdf

+ Você também pode visitar Nikko, outra cidade linda, perto de Fukushima +

2. Você contribui com a reconstrução da região

fukushima hoje
Vista das montanhas de Fukushima, já na estrada


Nós todos sabemos que o turismo é uma arma poderosa para ajudar na reconstrução de áreas atingidas por desastres.
E visitando Fukushima, que tem uma boa estrutura para o turista, você contribui com a vida local.
Como?
Levando o seu dinheiro pra lá, consumindo produtos e incentivando o comércio local e o mais importante: mostrando para as pessoas e falando para o mundo (que também é um dos meus objetivos com este post) que Fukushima é legal, é seguro e que merece a sua visita!

+ 11 coisas que você NÃO deve fazer no Japão +

3. Fukushima é o lugar para esquiar por preços mais razoáveis.

Fukushima 2016
Uma das pistas que fomos esquiar


Quem esquia ou está planejando esquiar na próxima viagem, sabe que é um esporte caro. O valor cobrado para usar as pistas, o aluguel das roupas e mesmo a alimentação e hospedagem nas regiões de esqui costumam deixar qualquer viagem bem mais salgada.
Além do custo do esporte em si, isso também acontece porque as regiões se tornam muito turísticas, recebendo gente endinheirada do mundo inteiro.
No Japão, também é assim. Porém, as áreas mais famosas para esquiar estão mais ao norte do país, na região de Hokkaido.
Fukushima tem pouca tradição e não é tão conhecida pelos turistas e por isso, os preços são bem mais razoáveis para esquiar lá do que em qualquer outro lugar do Japão. Você vai ver que a maioria das pessoas que estão esquiando lá são moradores de áreas próximas ou turistas japoneses. Dificilmente encontrará um estrangeiro.

Se o preço é mais baixo, não se pode dizer o mesmo da qualidade das pistas, que são excelentes.
A maioria das estações de esqui de Fukushima tem uma excelente estrutura e pistas para todos os níveis, desde iniciante até profissionais.
Eu esquiei na estação que fica próxima ao Lago Inawashiro e gostei muito. Nunca tinha esquiado na vida, mas consegui aproveitar bastante.

Lá, é possível fazer o aluguel de todas as roupas e equipamentos necessários e ao redor da pista, tem diversas opções de hospedagem e alimentação.
A melhor opção é almoçar no próprio restaurante da pista de esqui, um grande refeitório, sem charme ou luxo nenhum, mas que tem uma comida deliciosa e barata.
Eles só fazem dois pratos: o Katsudon e o Katsu Karê, perfeitos para o frio e que custam em média 9 dólares. São muito bem servidos e deliciosos. Provavelmente você nunca comeu um Katsu Karê no Brasil (mesmo em restaurantes caros) melhor do que esse.

fukushima today
Katsudon e Katsu Kare deliciosos – e nós mortos do esqui!

Também tenho indicação de hospedagem, mas falarei sobre isso no próximo tópico.

Outra grande vantagem de esquiar em Fukushima e não no norte do Japão é que aqui é o lugar em que você pode esquiar até o final da temporada, no último fim de semana de março, quando já está bem mais quente.
Quando eu fui, era o último lugar disponível do Japão para esquiar e foi ótimo não ter que enfrentar tanto frio ou tempestades de neve.
A temperatura fica bem mais amena, bem mais fácil de encarar e mesmo assim, bem agradável de se esquiar, com bastante neve.

+ O que comprar no mercado no Japão? A Magali te conta! +

4. Você pode se hospedar em um Resort Ryokan

fukushima japão
O shabu shabu do Villa Inawashiro

A maioria dos hotéis que ficam em estações de esqui são resorts, mas em Fukushima, você pode ter as duas coisas: hospedar-se em um resort, com uma grande estrutura, e também ficar em um ryokan, a hospedagem típica japonesa.
Eu fiquei no Villa Inawashiro, a poucos metros de distância da pista de esqui. É um hotel simples, sem luxo, mas uma excelente opção de hospedagem na região e vai ter proporcionar uma experiência beeeeem típica japonesa.
É claro que por ser um resort ryokan ele não é pequeno, com poucos quartos e serviço exclusivo, mas tem algumas coisas que um ryokan tem.

A primeira delas é o estilo do quarto. Neles, não há camas e você dormirá em um tatame, como os japoneses gostam de dormir.
À primeira vista pode parecer estranho, mas é muito confortável dormir em um tatame e estranhamente faz super bem para as costas. Você vai acordar com a coluna retinha e no lugar.

A segunda coisa é o banho. Onsen coletivo. A melhor experiência que você terá no Japão.
O Villa Inawashiro tem onsens coletivos (masculinos e femininos, é claro), para você tomar banho à moda japonesa.
São águas termais coletivas, em que a temperatura varia entre 40°C e 43°C, que fazem muito bem para a saúde e são ótimas para relaxar.
Se a sua pressão permitir (e não cair rapidamente igual a minha), você vai querer ficar imerso um tempão no onsen.

A última coisa que o Villa Inawashiro tem de ryokan são as refeições. O jantar, incluso e ao estilo japonês, é feito em um grande refeitório. Quando eu estive lá, era Shabu Shabu, um cozido de carne e legumes preparado coletivamente à mesa. Delicioso!
O café da manhã também é interessante, pois são servidos pratos do café da manhã típico oriental, com tofu, missoshiro, nattô e arroz e itens bem ocidentais, como pão, suco e bolos.
Os japoneses provam de tudo um pouco e fazem uma mistureba só. Eu fiz o mesmo e me dei bem.

Só vale a pena ficar em hotéis business, daqueles de rede, comerciais, com quarto padronizado no mundo inteiro, se você precisar economizar muito na grana. Mas já te aviso, a experiência de ficar em um hotel como o Villa Inawashiro é bem mais legal e não custa caro.

Site do Villa Inawashiro, somente em inglês: http://www.villa.co.jp/

5. A vista do Lago Inawashiro

fukushima city today
Olha essa vista das montanhas do Lago Inawashiro – não parece que é de mentira?


Tem alguns cenários que tirar o meu fôlego e ficam na minha cabeça por muito tempo. Um deles é o do Lago Inawashiro.
A lago Inawashiro é cercado por uma cadeia de montanhas que podem ser vistas de qualquer lugar que você esteja na região.
Do alto da pista de esqui a vista é particularmente especial e parece que as montanhas são de papel ou que foram desenhadas. São tão bonitas, que parecem irreais.
Só ter essa vista das montanhas e do lago Inawashiro já valeria a sua viagem. É um dos lugares mais bonitos que eu já visitei.

+ Veja o que você tem que fazer no Japão, os imperdíveis +

6. Lago Hibarako

fukushima hoje em dia
Dá pra acreditar que isso é um lago congelado?

Um outro lago muito bonito para conhecer em Fukushima é o Lago Hibarako.
Durante o inverno, ele fica completamente congelado e os japoneses fazem pesca no gelo, fazendo um buraquinho no chão para pegar o peixe.
Quando eu fui, ele estava tão congelado, mas tão congelado, que era possível caminhar e até correr tranquilamente em cima dele (só não dá pra pular. Nós pulamos e acabamos com o pé afundado, cheio de água).
A visão que se tem do lago assim é maravilhosa, mas mesmo no verão, o lago é lindíssimo.
Lá, é comum a pesca do Wakasagi, um peixe típico da região que só é encontrado em águas muito geladas.
Eu não provei o Wakasagi, mas quem sabe quando você estiver por lá, não encontra uma barraquinha vendendo o peixe…

+ Tá indo pro Japão? Talvez seja bom você considerar viajar pela All Nippon Airways +

7. Provar o delicioso sobá da região

Fukushima - Soba - Magali Viajante
Em Fukushima, prove o sobá – o original!

Fukushima é famosa pelo sobá, que é o macarrão, como conhecemos aqui e também o nome da farinha, que em português é chamada de trigo sarraceno.
O sobá é uma farinha muito difícil de ser trabalhada sozinha, por isso, a maioria dos sobás que comemos no Brasil e também no Japão, tem um pouco de farinha de trigo misturada à massa.
Lá em Fukushima não. O macarrão sobá é feito somente com farinha de… sobá.

Para provar um delicioso e verdadeiro sobá, a minha indicação é o restaurante Oohori, em uma área bem tranquila de Fukushima.
O Oohori é um restaurante simples, frequentado somente por japoneses e a impressão que se tem é de estar dentro da casa de alguém. Provamos dois pratos: o Tempurá Sobá e o Sobá com Legumes e Ervas da montanha.
Ambos estavam deliciosos, e foram os melhores Sobás que eu já comi. A massa é bem leve, macia, delicada, bem diferente da que encontramos aqui.
O tempurá era sequinho e os legumes e ervas da montanha eram deliciosos e tinha um monte de coisa lá que eu não fazia ideia do que era. Foi uma das coisas mais gostosas que eu provei no Japão!

Fukushima - Oohori - Magali Viajante
Restaurante Oohori em Fukushima: recomendo!

E pra quem gosta de moti (e pra quem não gosta também, porque o do Oohori é surpreendente), aqui tem um maravilhoso e típico da região. É o Zunda Moti, que é coberto com um tipo de ervilha doce.
O diferencial do Moti daqui é que ele é feito na hora, por isso chega à mesa bem molinho, macio e ainda quentinho. Até eu que não sou muito fã de moti, adorei!

E sabe qual a melhor coisa? Você vai encontrar Zunda Moti e Sobá em outras regiões do Japão. Mas o original e mais delicioso de todos, é só em Fukushima.

Se mesmo depois de todas essas dicas, você ainda estiver se perguntando: “Parece legal, mas Fukushima é seguro?”, eu respondo: É sim, dependendo da região que você visitar.
É claro que você não vai visitar a usina nuclear, se expor a toda a radiação e beber a água dali, mas a região longe do mar, próxima das montanhas, está protegida e é segura sim.

O único risco de Fukushima, como diz aquela propaganda da Colômbia, é você querer ficar!!!

Gosta do Magali Viajante? Então não esquece de seguir a gente em todas as mídias sociais. Tem conteúdo exclusivo para o Facebook, Instagram,Twitter,YouTube e até Snapchat. Segue lá!

 

 

2 comments

Submit a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *